Demissão de funcionária negra constrange Obama

Caso de Shirley Sherrod, acusada de racismo e injustamente demitida, leva o presidente americano a divulgar um pouco comum pedido de desculpas

Uma sucessão de erros obrigou o presidente dos EUA, Barack Obama, a divulgar um constrangedor pedido de desculpas, no dia 22, a Shirley Sherrod, funcionária pública de 62 anos, negra, moradora de Albany, no Estado da Georgia. Demitida sob a acusação de racismo pelo Departamento de Agricultura dos EUA, três dias antes, ela aceitou o pedido.

Entretanto, uma semana depois, ainda sem saber se retornará ao trabalho, Shirley acabou com o suspense e decidiu processar o responsável pelo caso: o militante republicano Andrew Breitbart. Ele é membro da ala mais conservadora do Partido Republicano, conhecida como Tea Party.

Breitbart, 41 anos, branco, de Westwood, na Califórnia, é responsável por um site jornalístico (www.breitbart.com), que divulgou um vídeo editado de um depoimento que Shirley tinha dado, em 27 de março, durante um encontro da Associação Nacional para a Promoção das Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês), em Coffee County, na Georgia.

Em cerca de três dos 43 minutos da palestra, as imagens traziam a declaração de Shirley, então diretora de Desenvolvimento Rural do Departamento de Agricultura, de que hesitara em apoiar um fazendeiro à beira da falência, nos anos 80, porque ele era branco e se comportara como se fosse superior a ela.

Na Casa Branca. Despachada para o YouTube, a frase ganhou o rótulo de “racismo negro”, chegou à Casa Branca e seguiu para a mesa de Tom Vilsack, secretário da Agricultura, que a demitiu sumariamente no dia 19, depois de ler a transcrição do vídeo.

A história completa foi resgatada pela imprensa graças à reação dura da NAACP, que denunciou a edição do vídeo. Também ajudou o depoimento à rede CNN de Roger Spooner, o fazendeiro que quase perdeu suas terras nos anos 80.

“Vou dizer para você uma coisa. Nunca ninguém me tratou tão bem como Shirley”, afirmou Spooner, ao referir-se à ajuda que dela recebeu para salvar sua propriedade naquela época. “Ela nos ajudou e nós a estamos ajudando.”

Constrangimento. Ao descobrir a nova versão dos fatos, a imprensa americana não teve muito trabalho para resgatar a palestra integral de Shirley, na qual ela contava sua história. Filha de agricultores da Georgia, ela tinha 17 anos quando viu o assassino de seu pai ser absolvido – o réu era branco. Dias depois do julgamento, uma cruz ardeu em chamas na frente de sua casa. A ameaça da Ku Klux Klan não foi adiante porque a vizinhança, de origem negra, reagiu.

O relato integral sobre a história de Shirley caiu como bomba no governo do primeiro presidente negro dos EUA. No dia 21, o secretário Vilsack pediu desculpas e ofereceu um novo emprego a Shirley na área de direitos humanos.

Em seguida, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, também fez um pedido público de desculpas. No dia 22, o próprio Obama telefonou para Shirley. Até sexta-feira, o único pedido de desculpas que ela não havia recebido foi o de Andrew Breitbart, que afirmou à revista Newsweek que pretende “conversar pessoalmente com ela. “Não quero suas desculpas. Ele tinha obrigação de saber que estava me atingindo”, afirmou Shirley. “Eu, definitivamente, vou processá-lo.”

De novo a questão racial

MATT BAI
JORNALISTA DO “NEW YORK TIMES”

“A traumática experiência de Shirley Sherrod seguiu um padrão familiar na vida americana, em que qualquer pessoa que se manifeste sobre o tema da raça corre o risco de atrair a indignação pública e a humilhação. Talvez esperássemos que a eleição de um presidente negro tornasse essa questão menos sensível, da mesma maneira que a eleição de John F. Kennedy parece ter apaziguado as tensões entre os católicos americanos e o establishment protestante do país. No entanto, como os eventos da semana passada deixaram claro, apenas a presença de Barack Obama não nos livrará do problema racial.”

Similar Articles

AÇÕES DO IARA E IPEAFRO... O Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (IARA) e o Instituto de Pesquisa e Estudos Afro Brasileiros (IPEAFRO), em ação conjunta decidiram unir esforços para buscar perante
ACESSE O PORTAL JURIDÍCO... Acesse o Portal Jurídico do IARA e se informe das ações que estão ocorrendo no seu Estados: Lei 10.639/03, mercado de trabalho, julgamentos do Conselho Nacional de
STF julgará mensalão, c... O Supremo Tribunal Federal tratará de temas de grande relevância neste segundo semestre de 2011. Na pauta de julgamentos divulgada pelo presidente da Corte, ministro Cezar Peluso,
RACISMO INSTITUCIONAL É ... Comissão de Direitos Humanos da entidade e movimentos ligados a causas raciais promovem o evento, que abordará constatações e possibilidades de superação. A OAB/RS, por meio da
Newsletter IARA – Nov/10 Notícias desta edição: –  Educação: “Há racismo explícito nas obras de Lobato”,diz educadora –  Linha do Tempo disponibilizada pelo IPEAFRO/RJ – ONU Mulheres seleciona consultoria para preparação
Comissão de Igualdade Ra... Da redação da Tribuna do Advogado 31/03/2010 – Mantidas as tendências atuais, o Brasil levará 32 anos para igualar a renda dos trabalhadores negros e brancos. No
Coleção História Geral... Coleção História Geral da África Acesse a edição completa da Coleção em português A UNESCO no Brasil, em parceria com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e
Informativo IARA – ... Já está disponível para download o Informativo IARA de 2011. Boa Leitura!!! CLIQUE AQUI
AGÊNCIA BRASIL: Morre no... Vladimir Platonow Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro – Ativista político e precursor do movimento negro no país, o ex-senador Abdias Nascimento morreu ontem à noite
RJ decreta reserva de 20%... A cada cinco aprovados, a quinta vaga fica destinada a um negro ou índio. ‘Começamos a mudar a imagem do serviço público’, diz Cabral. O governador do
Parceria prevê estudos c... Ipea e governo de Angola pesquisarão impactos da reconstrução angolana e modelo macroeconômico O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Ministério da Coordenação Econômica de

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *