“Racismo e Justiça Ambiental” em debate amanhã na UNIGRANRIO, perante Diretora da EPA (EUA)

Acadêmicos e ativistas brasileiros participarão amanhã, a partir das 11h, de uma mesa sobre “Racismo e Justiça Ambiental”, na Universidade do Grande Rio, a convite do Consulado Geral do EUA, da UNIGRANRIO e do Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (IARA). A ideia é permitir que a Diretora da Agência de Proteção Ambiental (EPA), Lisa P. Jackson, que tem status de Ministra, saiba como os brasileiros lidam com a temática em questão.

A mesa será composta pelo reitor da UNIGRANRIO, Arody Cordeiro Herdy, por Lisa Jackson e pelos convidados: José Vicente (reitor da Universidade Zumbi dos Palmares), Humberto Adami (Iara), Henri Acselrad (IPPU/UFRJ), Marcelo Firpo Porto (Fiocruz), Márcia das Graças Marques (Instituto Quinto Elemento), Alexandre Anderson e Daize Menezes de Souza (Associação Homens do Mar da Baía de Guanabara), José Miguel Silva (vice-diretor do Comitê da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara), Sebastião Fernandes Raulino (professor e pesquisador) e Adriano de Lima (Associação das Comunidades Quilombolas do Estado do Rio de Janeiro).

São esperadas também as presenças das Ministras Luiza Helena de Bairros (SEPPIR) e Izabella Teixeira (MMA), assim como de autoridades estaduais e municipais.

As falas serão dinamizada a partir de três questões propostas pelo escritório da EPA em Washington: (1) como você definiria Justiça Ambiental e quais são as principais prioridades para você, sua instituição e/ou sua comunidade?; (2) existem mecanismos para facilitar a colaboração entre os interessados em promover a Justiça Ambiental, ou seja, ONGs, agências governamentais e organizações comunitárias? Se sim, você pode dar exemplos de como esses sistemas tem funcionado e como eles poderiam melhorar no futuro? e (3) em sua visão, quais são as coisas mais importantes que os governos, grupos comunitários, ONGs e outras organizações sociais poderiam fazer individualmente e coletivamente para promover a Justiça Ambiental no Brasil? Existem áreas de concordância que podem servir como pontos de partida para discussões sobre Justiça Ambiental? Em caso afirmativo, quais seriam essas áreas?

A moderadora será Cleonice Puggian, professora de Pós-Graduação da UNIGRANRIO, que será responsável por escolher e convidar os três componentes da mesa que responderão à primeira questão, solicitando em seguida a Lisa Jackson que faça uma apreciação sobre a temática em foco.  Em seguida, reiniciará as falas com a segunda questão, novamente direcionada a três convidados. Assim, cada convidado responderá uma pergunta e terá cinco minutos para sua fala.

Às 12h, haverá um brunch para 30 convidados, incluindo representantes do poder público, dos movimentos sociais e da universidade. Nesse momento, haverá um breve pronunciamento das autoridades, e Lisa Jackson, que só estará presente até as 13h, aproveitará para se dirigir a cada convidad@. Às 14h, o debate será retomado no auditório, com representantes da EPA e a participação da audiência.

Todo o evento será gravado e fotografado pela UNIGRANRIO.

A divulgação prévia e a cobertura pela imprensa foi vedada pelo consulado.

O endereço da UNIGRANRIO é Rua Professor José de Souza Herdy, 1.160, Duque de Caxias, Rio de Janeiro.

Fonte: site RACISMO AMBIENTAL

Similar Articles

AÇÕES DO IARA E IPEAFRO... O Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (IARA) e o Instituto de Pesquisa e Estudos Afro Brasileiros (IPEAFRO), em ação conjunta decidiram unir esforços para buscar perante
ACESSE O PORTAL JURIDÍCO... Acesse o Portal Jurídico do IARA e se informe das ações que estão ocorrendo no seu Estados: Lei 10.639/03, mercado de trabalho, julgamentos do Conselho Nacional de
Newsletter IARA – Nov/10 Notícias desta edição: –  Educação: “Há racismo explícito nas obras de Lobato”,diz educadora –  Linha do Tempo disponibilizada pelo IPEAFRO/RJ – ONU Mulheres seleciona consultoria para preparação
Bolsonaro diz a Preta Gil... Na TV, Bolsonaro diz a Preta Gil que namoro com negra seria ‘promiscuidade’ por Jair Stangler 29.março.2011 10:59:44 Em entrevista na noite da segunda-feira, 28, ao programa
IARA E ENTIDADES DO MOV. ... Apesar de já ter ocorrido audiência e outros andamentos, somente agora as solicitações das entidades quanto a sua entrada na ADPF 186 como Amicus Curiae estão sendo
Vitória da Lei Maria da ... A ministra Iriny Lopes, da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), afirmou que esta quinta-feira (24/03) é um dia histórico para as mulheres brasileiras. A ministra
Informativos 2010 – IARA Informativo n. 6 http://www.iara.org.br/doc/Informativo_JAN2010_n6.pdf Informativo n. 7 http://www.iara.org.br/doc/Informativo_ABR2010_n7.pdf Informativo n.8 http://www.iara.org.br/doc/Informativo_maio2010_n8.pdf Informativo n.9 http://www.iara.org.br/doc/Informativo_Julho2010_n9.pdf Informativo n.10 http://www.iara.org.br/doc/Informativo_set2010.pdf
Relatoria sobre os Direit... Relatoria sobre os Direitos das Pessoas Privadas de Liberdade Questionário de consulta para fins de elaboração do Relatório Temático sobre Direitos Humanos das Pessoas Privadas de Liberdade
Ipea lança software grat... IpeaGEO ficará disponível na internet. Apresentação terá transmissão ao vivo pelo sítio do Instituto O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lança nesta quarta-feira, 18 de agosto,
EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ... Já está disponível a lista de cursos de Educação Continuada do Centro de Estudos de  Educação Natália Caldonazzi em Cabo Frio, a partir de agosto de 2010.
ONU cria nova estrutura p... Criação da Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, denominada ONU Mulheres, é o resultado de anos de negociações entre Estados-membros da
Supremo aprova sete pedid... Para legitimar-se, a intervenção do amicus curiae deve apoiar-se em razões que tornem desejável e útil a sua atuação processual na causa, de forma a proporcionar meios

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *